Falando sobre Marketing Experiencial – A experiência na loja – 3º. Post da série…

IMG00933-20120114-2105IMG00925-20120114-2054IMG00931-20120114-2102IMG00926-20120114-2056

Nada melhor que dar vazão à imaginação infantil. Foi exatamente isto, que a loja American Girls que está presente em quatorze Estados Norte Americanos colocou em prática. A loja que tem como slogan “siga sua estrela interior” trabalha intensamente o lado lúdico de suas clientes. Seus departamentos deixaram para trás os antigos conceitos de lojas de brinquedos passando a atuar como um ponto de encontro para as meninas e suas bonecas. O envolvimento e as experiências geradas são tão intensos que além dos ambientes reproduzirem espaços temáticos de acordo com o estilo de vida imputado a cada boneca que está à venda as pequenas proprietárias ainda podem levar suas bonecas ao salão especialmente projetado, onde uma consultora de beleza às espera para fazer um novo penteado, ou ainda, se assim preferirem optar por fotografias e de lá sair com um “book” personalizado, além de desfrutar de um restaurante panorâmico com lanches e guloseimas. Tudo cuidadosamente pensado para elevar à máxima potência a satisfação dessas pequenas clientes que permanecem tardes inteiras usufruindo com suas famílias desse ambiente mágico.

Falando sobre Marketing Experiencial – A experiência na loja – 2o. post da série…

amsterdam

Voltando a falar sobre marketing experiencial, se por um lado o berço da “economia da experiência” foi indiscutivelmente o conceito que está por trás da abertura da Disneylândia na Califórnia, por outro lado, a continuidade deste conceito tem sido abraçada também por outros seguimentos. Um exemplo disso é a loja UnitedNude em Amsterdam. A loja, especializada em sapatos, é um grande exemplo de “brand experience”. Além dos sapatos serem totalmente focados em design, as lojas são responsáveis por um espetáculo à parte. Com um jogo de luzes surpreendente, a marca envolve o consumidor gerando desejo e curiosidade que despertam os sentidos. A cada minuto a loja se transforma, tornando-se totalmente vermelha, azul ou verde, instigando o consumidor a descobrir qual a cor daquele sapato que mais o atraiu. Sem dúvida é um grande exemplo de marca que usa seu ambiente para gerar uma experiência única e diferenciada. As lojas trabalham com poucos vendedores, apostando que o ambiente é quem faz a venda.